O Jogo

– Você quer? – ele perguntou, disposto a servi-la

– Quero – ela respondeu, meio sem jeito

– Então pede!

– Não!

– Mas você não quer?

– Quero, mas não sei pedir…

– Então se você não sabe pedir vai ficar sem nada.

– Tá, vamos pra um lugar menos movimentado, não quero que ninguém nos veja.

– Entra aqui.

Viraram à direita na próxima esquina, ao invés de seguirem por aquela rua. Ela adorava este jogo. Sabia muito bem como jogá-lo e na maioria das vezes saía ganhando. Pararam em um canto escuro.

– Me beija.

Beijou-a com ímpeto, seu corpo já respondendo aos estímulos que ela lhe proporcionava.

– Me abraça.

Estreitou-a em seus braços, protetor e afobado, como se quisesse violentá-la ali mesmo, mas ao mesmo tempo como se quisesse defendê-la de si próprio.

– Me dá sua mão.

Ela conduziu lentamente as mãos dele. Das suas costas para os seios, dos seios para os quadris. Ele não aceitou perder o controle da situação. Enfiou a mão por dentro da calça jeans apertada que ela usava.

– Ei, devagar, pode aparecer alguém!

– Não vai aparecer ninguém. A gente vai perceber se alguém vier.

Os dois estavam estrategicamente posicionados em um espaço entre dois prédios, que tinha algumas plantas e arbustos; um pequeno jardim para enfeitar o muro externo. Dois pinheiros e uma outra árvore formavam um triângulo, um esconderijo perfeito para eles. Beijaram-se durante algum tempo, trocando gemidos e carinhos abaixo da cintura. Ele abriu o botão da calça.

– Nem vem. Aqui não. Pode aparecer alguém.

– Só um pouquinho, rapidinho. Dá um beijinho aqui.

– Então pede!

– Não senhora, este jogo é meu!

– Ou pede, ou fica sem…

– Põe a mão aqui dentro.

Ela enfiou a mão direita dentro da calça dele, enquanto a esquerda afagava seus cabelos e provocava arrepios em sua nuca. Não precisava mais de comandos, já sabia exatamente o que fazer a partir dali: pedir algo que o agradasse.

– Me fala aquelas besteiras todas.

– Achei que você não gostasse.

– Agora eu gosto.

Ela não gostava. Achava sujo. Achava-se uma puta quando ria das sacanagens que ele lhe sussurrava ao ouvido. Mas adorava, porque assim ele lhe roçava a barba bem junto ao lóbulo esquerdo da orelha. Mal sabia ele, mas a consequência da costumeira preguiça de barbear-se causava nela arrepios indescritíveis. Em um destes arrepios ela soltou um suspiro.

– Você já foi?

– Já, sim.

– Mentirosa.

Ele a beijou novamente. A boca, o queixo, o pescoço e o ombro. Olhou em volta, não havia ninguém na rua. Mesmo o vigia noturno que costumava passar por ali a cada meia hora parecia ter se atrasado,  como que adivinhando a cena e não querendo se intrometer. Intensificou o ritmo da língua em sua boca, e dos dedos em seu clitóris. Sentia que ela respondia, sentia também o seu coração bater mais rápido, mas só parou depois de ouvir um gemido abafado. Ela se deixou cair nos braços dele.

– E agora?

– Sim.

– Tá vindo alguém. Bora sair daqui.

O vigia noturno não viu nada, a não ser um casal que se abraçou e continuou a andar, naquela rua onde não passava muita gente. “Lugar estranho para namorar… Embaixo da câmera de segurança?”

____________________________________________________________________________________________

Contribuição de: LP.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s