O pudim da discórdia

Dia das Mães sempre era igual. Juca levava Sônia, sua esposa, para a casa de sua mãe, a Dona Júlia, onde toda sua família tradicionalmente se reunia durante a data.

O irmão mais novo de Juca, o Zeca, leva a esposa Marta e o filho Albertinho, um peralta; a irmã mais velha é a Laura, casada com Nelson e mãe de Jonas e da pequena Maria Eduarda. E o Romeu, o sobrinho solteirão da Dona Júlia, e consequentemente, primo de Juca, Zeca e Laura, é bem mais novo que eles.

O almoço servido nesse ano foi macarronada, nhoque, escondidinho, acompanhado por saladas de vários tipos. Para beber, cerveja, vinho branco e refrigerante para as crianças.

Essas reuniões costumavam ser divertidas e, às vezes, vexaminosas, quando um ou mais membros da família resolvia soltar um “podre” de um parente à mesa, pra causar risos e constrangimentos. Nesse ano foi peculiar. Durante a sobremesa, um delicioso pudim de leite preparado pela própria Dona Julia que é uma receita tradicional de gerações da família e de muito sucesso, Albertinho, depois de aprontar muito com os móveis e bibelôs da avó, senta à mesa e começa a devorar o pudim, com muita gula e sujeira. Foi quando Laura disse:

– Olha só, Marta, como o Albertinho é gordo e esganado! Você não põe limites pra esse menino?

E Marta respondeu:

– Ponho sim, e você põe limites pros seus?

– Mas meus filhos são uns amores!

– Ah, então porque o Zeca encontrou o Romeu dando uns amassos no seu filho no ano passado, no quarto da sua mãe?

Todos ficaram chocados. Jonas se levantou da mesa, com vergonha, e foi correndo pra um dos quartos de hóspedes, seguido por sua mãe que foi consolá-lo. Romeu baixou o rosto, enrubescido após receber meia dúzia de olhares fuzilantes.

– Como é essa história, primo?? – inquire Nelson.

– Beleza! Então é isso? – se indigna Romeu, levantando-se da mesa. – Então o que os hipócritas vão dizer quando souberem que você tem um caso há anos com a Sônia?

– O quê?? – dissimulou Sônia. Juca olhou com indignação pra esposa.

– Mas… mas… Isso é um absurdo! – se fez de desentendido Nelson.

Sônia levantou-se e saiu da casa rapidamente, e Juca jogou pudim na cara de Nelson. A mesa foi ao chão, enquanto Dona Júlia chorava copiosamente e era consolada por Marta. Não tinha como não concordar que os almoços de Dia das Mães naquela casa eram tediosos.

______________________________________________________________

Esse post foi em resposta ao desafio proposto pela Rebeca.

O próximo desafiado para escrever no domingo que vem será o Michel. Tema:  guerra.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s